Blog da Emboé

  • Como reduzir desperdícios com o Pensamento Lean?

    A redução de desperdícios se tornou nos últimos anos um requisito básico para sustentabilidade econômica, social e ambiental de qualquer organização! As empresas que desejam superar a concorrência e alcançar o sucesso no mercado devem inovar, mas também devem garantir que aquilo que o cliente deseja seja entregue com o menor custo possível para eles, para a sociedade e para o meio ambiente.

    Como conversamos nesse post aqui, o Lean, ou Sistema Toyota de Produção, é “uma filosofia da Toyota que foca na identificação e eliminação de todo e qualquer tipo de desperdício, aumento do valor agregado, utilização da voz do cliente para tomada de decisão, aumento da qualidade e aceleração dos processos”.

    Além de apresentar o Lean, nesse post explicamos também a relação entre o desperdício e a geração de valor ao cliente segundo essa filosofia e quais são as 8 classificações mais clássicas para os desperdícios encontrados nas empresas!

    Mas onde esses desperdícios são encontrados? Como podemos identifica-los? e Como conseguimos elimina-los? Nesse post iremos aprofundar esse tema te ajudando a colocar a lógica de eliminação dos desperdícios do Lean em prática.

    Primeiramente precisamos entender onde encontrar esses desperdícios nas organizações…

    Os desperdícios podem ser encontrados nos processos executados por uma organização e que estão inseridos em toda atividade executada sem que o cliente esteja disposto a pagar, em todas as decisões incorretas tomadas e em todas as etapas de controle interno que não garantem a excelência do processo.

    Devemos entender como “Processos” qualquer operação que produz bens ou serviços, ou um misto dos dois, realizada por meio da execução de uma (ou mais) etapas de transformação. Por transformação nos referimos ao uso de inputs (recursos transformados ou de transformação) para mudar o estado de algo gerando outputs (produtos ou serviços):

    Já os desperdícios são os caminhos e atividades que fazemos durante esses processos sem que haja acréscimo de valor ao produto ou serviço pelo ponto de vista do cliente, impedindo que o processo ocorra de forma fluída e enxuta.

    Agora que você já sabe onde encontra-los, precisamos entender como identifica-los…

    É agora que as 8 classificações de desperdícios devem ser utilizadas!

    Essas classificações não foram criadas somente para que possamos entender quais os tipos de desperdícios que estão presentes em nossos processos, mas para que possamos abrir nossa mente para esses desperdícios, facilitando a avaliação de cada atividade executada ao longo do processo para verificar se é ou não um desperdício.

    Dessa forma, qualquer erro que exija retificação, produção de itens ou serviços que ninguém deseja, acúmulo de mercadorias no estoque, etapas de processamento que na verdade não são necessárias, movimentação de funcionários e mercadorias sem propósito, grupos de pessoas em espera para realização da atividade anterior, poderão ser considerados como desperdícios do processo.

    Para que você possa entender melhor como essas 8 classificações podem te auxiliar a identificar os desperdícios no processo de qualquer ambiente de trabalho, dê uma olhada nos exemplos de desperdícios comuns que levantamos na Produção, em empresas de Serviços e na área de Saúde:



    Além disso, é preciso identificar o que é valor dentro do processo!

    Valor será toda e qualquer atividade executada nesse processo que não pode ser classificada como desperdício, logo toda àquela que o cliente está disposto a pagar para ser executada e que aumenta o valor percebido pelo mesmo para seu produto ou serviço.

    Com os desperdícios e valor identificados, precisamos entender como acelerar nosso processo…

    Será importante reduzir o máximo possível, com soluções simples e enxutas, os tempos de processo investidos em atividades que não agregam valor ao nosso cliente.

    Como Taiichi Ohno já disse:

    Veja no exemplo de fundição abaixo, demostrado por Womack, James e Jones no primeiro livro sobre Lean “A máquina que mudou o mundo”:

    Nesse exemplo podemos perceber que somente 30% do processo é eficiente e agrega valor ao cliente, logo devemos agir sobre os 70% do tempo que não agrega valor para que possamos acelerar esse processo sem perder a percepção de qualidade dos nossos clientes. Mas também podemos agir sobre os tempos de valor!

    Porém não podemos ser tão rigorosos na hora de decidir o que fazer com cada um dos tempos desperdiçados, pois devemos garantir que tudo que é essencial para segurança e sobrevivência do negócio seja mantido, então indicamos que você utilize a seguinte regra:

    Agora que você já sabe onde os desperdícios (e o valor) estão localizados, como identifica-los e como agir sobre eles para acelerar seus processos com qualidade, disponibilizamos também um Infográfico desenvolvido por nós para te auxiliar a avaliar cada uma das atividades de seus processos e definir qual a melhor forma de agir para tornar eles mais eficientes:

    Uma boa caça aos desperdícios para você e um grande abraço,

    Jéssica Galdino
    Mestre em Engenharia de produção, Green Belt em Lean Seis Sigma e Executiva da Emboé

Deixe um Comentário